AlmapBBDO recebe David Carson em tarde de conversa: “O design precisa ser humano, as pessoas reagem melhor quando há uma pessoa por trás do trabalho” - Notícias | AlmapBBDO

PT/EN

AlmapBBDO recebe David Carson em tarde de conversa: “O design precisa ser humano, as pessoas reagem melhor quando há uma pessoa por trás do trabalho”

O Global Creative Lead da Mackevision Steffen Bärenfänge também esteve na agência falando sobre tecnologias imersivas e seus impactos

4 de Dezembro de 2019, 12:00 PM

-

São Paulo, 6 de dezembro de 2019 – Nesta semana, a Criação da AlmapBBDO recebeu duas importantes visitas: o lendário nome do design mundial e pai da tipografia grunge, David Carson, e o Global Creative Lead da Mackevision e especialista em tecnologias imersivas, Steffen Bärenfänger. Eles estiveram na agência conversando com os criativos, apresentando seus trabalhos e respondendo a perguntas.

O encontro com David Carson aconteceu ontem (5/12). Nome por trás de brandigs como Microsoft e Nike e de campanhas como a do Obama nas eleições e do movimento “MeToo”, Carson falou sobre seu icônico trabalho, sobre suas producões atuais, carreira, relação com os clientes e processo criativo. Segundo ele, as pessoas reagem muito melhor ao design gráfico quando sentem que há um ser humano por trás da peça: “Os designers ficaram preguiçosos nas últimas décadas com tantos softwares à disposição. Deixaram o computador tomar decisões por eles. Precisamos sempre lembrar que se somos designers, é porque temos uma sensibilidade, um ouvido, uma capacidade de elaborar”, comentou.

Diretor de arte das revistas inaugurais Beach Culture e Ray Gun e tendo colaborado com artistas como John Coltrane, Nine Inch Nails e David Byrne, Carson defende a originalidade: “As pessoas costumavam dizer que o meu trabalho era difícil de ler, mas nem sempre o que é legível comunica. Prefiro pensar que estou apenas fazendo o que faz sentido para mim, as pessoas acabam entendendo”, explica ele. E encerrou seu encontro na agência provocando: “A melhor definição sobre um bom trabalho que ouvi foi: ‘Se você não precisasse do dinheiro, você teria feito este mesmo trabalho?’”.

Na terça-feira (3/12), foi a vez de Steffen Bärenfänger, Global Creative Lead da Mackevision, uma das empresas líderes do mercado global de imagens geradas por computador (CGI - Computer Generated Imagery) e Realtime 3D, falar com os criativos da agência. Steffen abordou o encontro entre tecnologia e criatividade, explorando os potenciais de criação e de negócios possibilitados por experiências tecnológicas profundas e imersivas. Mais do que isso, apontou os profundos efeitos das novas tecnologias, que geram novas realidades que já passam a ser entendidas e assimiladas como novas verdades. “Não estamos muito longe de querer habitar predominantemente o mundo virtual”, afirmou o especialista.

Steffen é responsável por toda a parte criativa e de business dos 14 escritórios que a Mackevision mantém ao redor do mundo. Entre os muitos trabalhos desenvolvidos, estão entregas para Game of Thrones e o mercado automobilístico, por exemplo. Steffen atuou como diretor executivo de criação e como diretor de criação integrada nas principais agências de publicidade da Alemanha e de diversos países. Desenhista, músico e cineasta, contou que é impressionado pelo Brasil desde pequeno, quando assistiu a um desfile de Carnaval pela primeira vez em um canal da televisão alemã.


Complemento sobre David Carson
Colagem gigante no centro de São Paulo
De passagem pelo Brasil para o Pixel Show, David Carson aproveitou para criar um painel gigante, na lateral de um prédio, feito com colagens, técnica que vem explorando nos últimos tempos. Localizado no centro de São Paulo, o painel foi interrompido pois um dos cabos que sustentava o andaime rompeu-se. A obra deve ser retomada nos próximos dias. Sobre o acidente, Carson comenta: “Temos que estar abertos aos acidentes, eles podem trazer coisas novas”. Carson é surfista e vive entre a Califórnia, Caribe e Holanda, tendo chegado a oitava posição no ranking mundial de surfe nos anos 70.


Sobre o papel social do design gráfico: “Há uma frase que disse em alguma entrevista, com um certo sarcasmo, pela qual até hoje sou lembrado, principalmente pelos estudantes: que o design seguido do rock’n’roll salvariam o mundo! Minha posição hoje é mais suave: não vamos curar nada, mas podemos ajudar. Começar a dar mais esperança as pessoas. Nas eleições do Obama, o design gráfico teve um impacto tremendo, e as pessoas sentiram isso
Tivemos um papel ali. Alguns leitores da Beach Culture e Ray Gun até hoje, quando me encontram, falam que eram jovens suicidas e melancólicos e que ajudamos a salvar suas adolescências. Que aquelas publicações trouxeram algo novo para eles. São nesses espaços em que podemos fazer uma pequena diferença”.

Sobre a originalidade: “Só porque uma frase é legível não quer dizer que ela comunica.
E comunicar nem sempre é o melhor caminho. Há uma linha muito tênue entre ser simples e poderoso e ser simples e entediante”.